quarta-feira, 16 de outubro de 2013



Inexperiência Superada
 Pr. Felippe Amorim
Graduado em teologia pelo SALT-IAENE
Pós-graduado em docência universitária
Pastor do IAESC - ANC


Quando eu estava no terceiro ano da faculdade de teologia, tive aulas com um grande professor. Ele era um exemplo para todos os alunos, gostávamos de ouvi-lo. Um dia ele nos contou um pouco do início do seu ministério.
Ele enfrentou algumas dificuldades nos primeiros anos de ministério.  Por ter chegado muito jovem no distrito acabou ouvindo frases preconceituosas como a de um ancião que falou: O que esse menino tem a nos ensinar?
O professor nos contou que aquela frase ao invés de coloca-lo para baixo, o motivou a se preparar melhor ainda para ganhar o respeito dos irmãos. No final do período em que esteve naquele distrito, depois de muita dedicação aos estudos, visitas e orações, ele foi homenageado e reconhecido como um dos melhores pastores que já haviam passado por ali. A dificuldade com a idade foi superada pela aplicação ao trabalho.
Muitos jovens pastores (tanto na idade quanto no tempo de ministério) têm enfrentado problemas parecidos. Por chegarem muito inexperientes nas igrejas são recebidos com muito receio pelos líderes. Timóteo sofreu isso e Paulo o ensinou a superar essa dificuldade.
Paulo escreveu: Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá. Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério. Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem (1 Timóteo 4:12-16).
Timóteo não era um adolescente, ele já servia a Paulo como assistente fazia uns quinze anos. A questão é que, na cultura da época, qualquer pessoa em idade de serviço militar (até quarenta anos) era considerada jovem demais para o ministério. Os Cânones apostólicos, inclusive, estabeleciam que ninguém poderia ser bispo antes dos cinquenta anos. Timóteo, portanto, sentiu na pele o que muitos jovens ministros sentem hoje, uma resistência por parte do mais velhos. Os conselhos de Paulo, porém, o ajudaram a superar esta fase.

Desafio para os jovens ministros


É natural que a igreja olhe com desconfiança para um pastor inexperiente. O pastor deve aconselhar, deve ensinar e, quando necessário, repreender e os jovens de hoje, de maneira geral, não cumprem esse papel com tanta facilidade.
Existe um agravante. Pessoas mais velhas, às vezes, não aceitam ser ensinadas ou repreendidas por jovens. Alguns não aceitam e permanecem em silêncio e outros partem para as críticas. Paulo ensinou que Timóteo deveria silenciar as críticas com sua conduta. A Bíblia NVI traduz assim o início do conselho: Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem (1 Timóteo 4:12). O jovem pastor pode ser respeitado, mas há uma parte dele nesse processo. Por isso, vale a pena prestarmos atenção aos sete conselhos de Paulo a Timóteo.

1 - Seja um exemplo

            A primeira atitude do pastor que quer ser respeitado (seja ele experiente ou não) é tornar-se padrão dos fieis. Paulo está falando de exemplo. Certa vez li uma frase que dizia: Palavras convencem, exemplos arrastam. Um bom exemplo é um dos mais fortes argumentos, por isso os pastores inexperientes devem ensinar pelo que falam, mas, principalmente, pelo que fazem.
O jovem pastor não consegue ser um exemplo de experiência, mas, tem toda possibilidade de ser um exemplo em outras áreas e o texto bíblico as expõe. A primeira é na palavra. O jovem precisa se preocupar com o seu modo de falar, com a linguagem que usa. Embora seja novo, não precisa ter uma linguagem carregada de gírias e expressões que o caracterize mais como um qualquer e menos como um pastor. É lógico que não estou dizendo que uma linguagem rebuscada vai fazer que alguém seja respeitado, mas é preciso que o jovem pastor seja coerente em sua linguagem no púlpito e fora dele.
A segunda área em que ele deve ser um exemplo é no procedimento, ou seja, no seu modo de viver. Sua família deve dar exemplo e seus procedimentos na igreja também devem ser exemplares. Para os jovens pastores a consulta constante do manual da igreja, por exemplo, ajudará muito nos procedimentos administrativos e a oração ajudará muito nos procedimentos cotidianos do trabalho.
A próxima área apresentada por Paulo na qual o pastor deve ser um padrão é no amor. Tenho um amigo pastor que gosta de dizer a seguinte frase: Nada resiste ao amor. Isso é uma verdade. Paulo alertou sobre isso. Nesse texto ele fala do amor ágape, o amor incondicional. Só quem tem esse tipo de amor por Deus e pelo ministério consegue superar as críticas e dificuldades que aparecerão e foi assim que Timóteo superou a crítica dos mais velhos. Os jovens pastores que seguirem este caminho também poderão superar.
A terceira área em que o jovem ministro deve ser padrão é na fé. Essa fé é a indestrutível fidelidade a Deus, custe o que custar. Os jovens pastores precisam manter a fé mesmo quando estão sendo criticados como Timóteo.
Paulo fala ainda que devem ser padrão na pureza. Nesse texto devemos entender pureza como o cumprimento cuidadoso das questões religiosas. Quando Plínio informava a Trajano a respeito dos cristãos em Bitínia, escreveu-lhe: "Costumam não jurar, não cometer furtos, nem roubos, nem adultério; não faltar a sua palavra; não negar uma promessa que se têm feito quando são chamados a responder por ela". Esse tipo de pureza faz com que pessoas de qualquer idade respeitem o ministro de qualquer idade.

2 - Aplica-te à leitura

            O segundo conselho diz respeito à leitura. Originalmente esse conselho trata da Bíblia e de sua leitura pública feita costumeiramente nas igrejas da época de Paulo. Ele está enfatizando a importância de que a Palavra de Deus seja a fonte do assunto do culto. As pessoas vão à igreja para ouvir a Bíblia não a opinião do pastor. Ser especialista em Bíblia dará autoridade ao jovem pastor.
            Podemos, no entanto, aplicar este conselho a outras leituras. Quero amplia-lo dizendo que os pastores precisam ser homens de leitura. Outros livros precisam ser degustados pelos pregadores.

Os pastores devem dedicar tempo à leitura, ao estudo, a meditar e orar. Devem enriquecer o espírito com conhecimentos úteis, aprendendo de cor porções das Escrituras, traçando o cumprimento das profecias, e aprendendo as lições que Cristo deu a Seus discípulos. Levai um livro convosco para ler enquanto viajais de ônibus, ou esperais na estação da estrada de ferro. Empregai todo momento vago em fazer alguma coisa. Assim fechar-se-á, a milhares de tentações, uma porta eficaz. (Obreiros Evangélicos, 279)

A leitura de bons livros ajudará o jovem pastor (e os mais experientes também) a terem mais conteúdo nos sermões, a escreverem melhor e, inclusive, a falarem melhor. É a partir da leitura que terão argumentos sobre assuntos que os mais velhos já conhecem por causa dos anos que viveram a mais.

3 - Exortação

Outra prática que ajudará jovens pastores a serem respeitados por suas igrejas é a exortação. Exortar nesse texto tem o sentido de confortar, incentivar, admoestar. Ou seja, Paulo está falando do que conhecemos hoje como aconselhamento pastoral.
É preciso que o pastor esteja próximo de suas ovelhas e a visitação é um excelente método para que isso aconteça. A visitação vai ajudar os membros mais velhos a conhecerem o pastor e, consequentemente, irão respeita-lo por isso. Mesmo que a visita seja para repreender deve ser feita sem medo. A juventude não deve impedir que o ministro repreenda quem está errado. É preciso, no entanto, ter coragem de fazer isso no púlpito e nas casas. Nesse ponto muitos terão que brigar consigo mesmo para evitar a busca pela popularidade e manter-se concentrado no seu trabalho e na vontade de Deus.

4 – Ensino

O ensino é um dos dons do Espírito listados em 1 Co. 12:28. Isso quer dizer que essa característica, de forma especial, será colocada no pastor quando ele está em comunhão com Deus. Mais do que conhecimento é preciso dedicar tempo para estar mais perto do Senhor.
Depois de estar preparado espiritualmente para exercer a função do ensino é preciso estar intelectualmente preparado para isso. O jovem pastor que pregar sermões com um conteúdo significativo ganhará o respeito de todos. Como diz o comentarista bíblico: Em nenhuma Igreja pode existir uma fé duradoura sem um pregador que ensine (Barcley). Além de ensinar na igreja, o pastor deve ensinar nas casas e também ensinar com o exemplo.

5 - Não ser negligente com o dom

Ser pastor é mais que uma escolha pessoal, é uma escolha de Deus. Por isso precisamos honrar o chamado que recebemos. Fazer valer cada centavo que a igreja investe no ministério. Os jovens ministros devem trabalhar aproveitando a força e a disposição do início do ministério.
Infelizmente, alguns pastores, perdem a noção de que o nosso patrão não é o presidente da associação ou união, prestamos conta do nosso trabalho para Deus e ele está todo o tempo do nosso lado para nos ajudar, mas também, presenciando os momentos em que deveríamos trabalhar, mas acabamos nos ocupando com coisas supérfluas. Ser responsável com o dom que recebeu de Deus ajudará os jovens pastores a ganharem o respeito da igreja.

6 - Meditação e diligência

Esse dois conselhos abrangem os aspectos internos e externos enfatizando o  equilíbrio que deve haver na vida do ministro. Meditação é algo interno, mas a diligência aparece no dia a dia.
 Meditar é ponderar, gastar tempo planejando, gastar tempo orando. Meditar é pensar. Isso parece simples e óbvio, mas, às vezes, o pastor entra em um ritmo tão frenético (os pastores iniciantes podem acabar entrando nesse ritmo por acharem que se não tiverem um número impressionante de batismo serão mal vistos pela associação) que não separam tempo para pensar.
O teólogo Barcley diz que: `O grande perigo do líder cristão é a preguiça intelectual e a mente fechada. O perigo de que se esqueça de estudar e permita que seu pensamento corra por caminhos gastos. O perigo de que nunca saia da órbita de um número limitado de ideias favoritas. O perigo de que as novas verdades, os novos métodos, o intento de reafirmar a fé em termos contemporâneos simplesmente o irritem e chateiem. O líder cristão deve ser um pensador cristão, ou fracassará em sua tarefa; e ser um pensador cristão é ser um aventureiro do pensamento durante toda a vida`.
Diligência diz respeito a aplicação que se tem no trabalho. Não trabalhamos para homens, repito, e devemos lembrar que o cristianismo é a verdade em ação, por isso, os pastores devem estar em constante ação.

7 - Ter cuidado de si mesmo e da doutrina

A sequência que é apresentada nesse conselho é importante. Primeiro o pastor deve cuidar de si mesmo. Deve cuidar de sua vida espiritual, deve cuidar de sua família e deve cuidar de sua saúde.
Uma das maiores tentações do pastor é estudar a Bíblia apenas para fazer sermões. Os pastores precisam estar alimentados para depois oferecer comida para as suas ovelhas. Também não será produtivo cuidar da família dos outros e esquecer-se da sua própria família. Uma família bem estruturada levará muitos a respeitarem mais o jovem pastor.
Cuidar da saúde também é muito importante. Tenho um colega que trabalhou tanto no primeiro ano de ministério que adoeceu gravemente e chegou a correr risco de morte. O diagnóstico do médico em relação à sua doença foi esgotamento físico. Sem saúde o pastor jovem não conseguirá alcançar o respeito necessário de sua igreja. O Lazer é uma parte importante do ministério.
Depois que o pastor cuidou de si, então ele pode cuidar da doutrina. Deve ter zelo pelos princípios, respeito às normas locais e, mais que isso, ser um promotor das doutrinas bíblicas, pregando-as no púlpito.


 Promessas para jovens pastores


            Se os jovens pastores seguirem os conselhos do experiente apóstolo Paulo, não enfrentarão, por muito tempo, críticas por causa da sua idade. Logo os mais velhos da igreja começarão a respeita-lo sem mais darem importância à sua data de nascimento.

O texto de Paulo tem algumas promessas que poderíamos também chamar de consequências para aqueles que aplicarem na vida os seus sete conselhos. Paulo garante, em nome de Jesus, que o progresso do jovem pastor será manifestado a todos (v. 15) e também que o ministro salvará a si mesmo e aos seus ouvintes (v. 16). Seguir os conselhos Bíblicos é segurança para os jovens pastores, para sua família e para a igreja. Assim como Timóteo, os pastores jovens que seguirem os conselhos de Paulo terão muito sucesso no trabalho e o respeito de todos em sua igreja.

Um comentário:

Marcelo Branco disse...

Muito bom artigo Pr. Felipe! Parabéns por extrair perolas da Palavra de Deus e compartilhar! Abraços!